Os ciclos globalistas - Parte 2

Geopolítica

Alexandre Costa

Publicado em 17/07/2019

3° Ciclo – Os instrumentos

Já vimos o surgimento das idéias e do método de ação. Agora veremos que este terceiro ciclo se caracteriza pelo surgimento dos instrumentos, que podem ser representado por alguns fatos:

·FED (1913)

·Fundações: 1900 a 1940

·Liga das Nações (Sociedade Nações – Paris) - 1919

·Think Tanks: CFR e Chatham House

No final do Século XIX começam a surgir fortunas imensas nos EUA e a imagem destes magnatas do aço, do petróleo, das ferrovias e do sistema financeiro estava muito arranhada porque a sociedade americana via esses sujeitos como exageradamente ambiciosos, egoístas, insensíveis etc. Isso piorou quando uma jornalista americana, Ida Tarbell, lançou A História da Standard Oil, em 1904. Esse livro foi devastador para a imagem da Família Rockefeller, controladora da empresa, e respingou em todos os outros milionários, que já vinham sendo chamados por alcunhas pouco elogiosas como “Barão-Ladrão”. Para tentar amenizar o desgaste da empresa e da família, começaram a patrocinar causas populares e acabaram criando a Fundação Rockefelller, em 1913, seguindo uma idéia de Andrew Carnegie, que já tinha criado a sua própria fundação em 1905. Mais tarde várias outras famílias e corporações fizeram o mesmo, e com o tempo perceberam que além de melhorar a imagem das suas empresas as fundações poderiam contribuir para influenciar a sociedade e os poderes políticos, seja por meio de patrocínios e incentivos a determinadas causas, seja pelo financiamento direto de candidatos.

O Federal Reserve não é federal e não é uma reserva propriamente, mas funciona como uma espécie de banco central americano, de caráter privado, mas com autoridade estatal, controlado por alguns poucos banqueiros. Apesar de já existirem bancos centrais desde pelo menos o Século XVII[1], o FED vai inovar ao padronizar as transações e se transformar rapidamente no eixo financeiro mundial. Para construir um governo mundial é necessário um aparato complexo de controle de recursos. Com o FED eles conseguem esse passo decisivo e mais tarde essa idéia ganha ainda mais força e surge em 1930 o BIS , Banco de Compensações Internacionais, o Banco dos Bancos Centrais. Desde a sua criação, em uma obscura reunião ocorrida na Ilha Jekyll, na costa do estado da Geórgia, nos Estados Unidos, o FED e seus congêneres trabalham pela eliminação de todo e qualquer lastro no dinheiro, transferindo para os grandes banqueiros o controle efetivo da economia mundial.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar