O inverno e o universo de possibilidades em nosso país

Comportamento

Pablo Barcelos

Publicado em 09/07/2021

Com um território continental de 8.516.000 km², o Brasil oferece uma enorme diversidade de climas que vai da neve nas serras gaúchas e catarinenses, dos lindos dias de inverno do Rio de Janeiro até o calor mais agradável das regiões norte e nordeste do país nessa época do ano.

Vamos fazer um tour nesse gigante pela própria natureza, conhecendo os vários segmentos do turismo, as novas linhas empreendimentos, atividades que geram renda e arrecadação nessa estação e aprendendo um pouco do inverno brasileiro.

Vamos começar pelo mercado têxtil. As associações estaduais de produtores atualizaram os dados da safra 2020/2021. A previsão é de uma produção de 2,45 milhões de toneladas da pluma, para uma área plantada de 1,369 milhão de hectares, com produtividade média de 1793 kg/ha – redução de 18% tanto no volume quanto na área em relação ao ciclo anterior. Segundo Busato, presidente da Associação Brasileira dos produtores de Algodão (Abrapa) e da Câmara Setorial, a expectativa para 2021/2022 é de retorno aos níveis de plantio da safra 2019/2020, de 1,6 milhão de hectares. A Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) apresentou um panorama das vendas externas e do quadro internacional de oferta e demanda. Segundo a Anea, os embarques brasileiros somam 2,32 milhões de toneladas entre julho/20 e maio/21 - a atual temporada de exportações terminou em junho. "Com certeza, o ciclo fechará acima de 2,4 milhões de toneladas", afirmou Miguel Fauspresidente da entidade, lembrando que apenas em novembro e dezembro de 2020 o Brasil exportou 700 mil toneladas da pluma. "É um recorde e mostra o potencial que o Brasil tem", avaliou. Para a próxima safra, a estimativa de exportações é de 1,9 milhão de toneladas.  A Abrapa atualizou informações sobre as estratégias de promoção do algodão brasileiro no Brasil e no exterior. Marcelo Duarte, diretor para o mercado externo, falou sobre as ações do Cotton Brazil, programa focado no mercado asiático. A iniciativa foi lançada, em 2020, em parceria com a Apex-Brasil e a Anea, com apoio do Mapa e do ministério das Relações Exteriores (MRE), para mudar a imagem internacional da fibra brasileira e levar o país ao topo do ranking mundial de exportadores. A percepção de que o algodão produzido no Brasil é inferior ao americano se reflete no basis, fazendo com que nossos produtores deixem de ganhar mais de R$ 1bilhão por safra. "O Cotton Brazil tem a missão de aumentar nosso market share nos diversos mercados sem perder basis", resumiu Duarte. Neste sentido, o projeto tem como pilares a presença física na Ásia, forte atuação digital, marketing de relacionamento, eventos técnicos, missões de compradores e vendedores, parcerias estratégicas e uma sólida plataforma de Business Intelligence. Na primeira fase do projeto, encerrada em junho, foram realizadas duas rodadas de eventos virtuais com potenciais compradores em oito países asiáticos. Também foram promovidas reuniões com embaixadas e outras 9 com entidades representativas do setor têxtil nos mercados-alvo.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar