De muros, vilas e ilhas

Comportamento

Carlos Maltz

Publicado em 19/11/2019

No bojo das comemorações do trigésimo aniversário da queda do muro de Berlim, assisti novamente ao excelente “Adeus Lênin”, filme dirigido por Wolfgang Becker e lançado em 25 de dezembro de 2004. Na trama muito bem armada, uma mãe alemã oriental que na hora “H” não teve a coragem de fugir para o lado ocidental junto com seu marido, perde-o para o destino. Depois de um processo depressivo severo, coloca em seu lugar um amor fanático pela religião do paraíso comunista na terra. Se não podes vencer o inimigo, transforme-o num ídolo.

Eis que chega o dia 9 de Novembro de 1989. O muro cai. Em questão de poucos dias, o “paraíso” socialista na terra imposto goela abaixo aos alemães que moravam do lado que foi invadido pelos russos desde a derrota na segunda guerra vira poeira junto com o concreto da amaldiçoada cicatriz que rasgava ao meio a cidade que pagou mais caro pela loucura nazista.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar