O voo inaugural da ITA e o mercado aéreo doméstico

Brasil

Pablo Barcelos

Publicado em 05/07/2021

Quem não se lembra companhias aéreas brasileiras que deixaram de existir: Varig, Vasp, Transbrasil, Cruzeiro, Panair, Real Aerovias, a Webjet comprada pela Gol e a Avianca. Cada uma delas com seus dramas administrativos e erros estratégicos, milhares de empregos ceifados, dívidas impagáveis, uma enorme demanda jurídica com algumas que se arrastam até hoje. Vários foram os relatos de suicídios por funcionários dessas companhias que se viram em situação de desespero por conta das falências.

Até 2020, o Brasil contava com apenas três grandes companhias aéreas em atividade: Gol, Latam e Azul. Juntas elas foram responsáveis por transportar 99,5% dos passageiros de avião no último ano, segundo dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Itapemirim 

Com 67 anos de história, o Grupo Itapemirim é referência no mercado de transportes brasileiro. A companhia tem como presidente e vice-presidente, Sidnei Piva e Adilson Furlan (respectivamente). A Viação Itapemirim, empresa de transporte rodoviário, atende 2,5 milhões de passageiros por ano, em 2.700 cidades de 19 Estados brasileiros, com mais de 300 ônibus em operação e é liderada por Eliandro Bueno. Sob a liderança de Tiago Senna, em 2020, surgiu a Itapemirim Transportes Aéreos (ITA) "com objetivo de levar ao território nacional a democratização do transporte aéreo por meio de uma experiência inovadora e acolhedora". O grupo possui ainda empresas ligadas à operação de transportes, com foco especial em ferrovias e no transporte urbano, por meio dos veículos leves sobre trilhos (VLTs). A divisão ferroviária tem como responsável Jean Pejo. “Estamos presenciando um marco importante dentro da história da aviação civil brasileira. Hoje, temos orgulho de anunciar que cumprimos, dentro do prazo oficial, todos os requisitos exigidos pela Anac. Esse sonho só foi possível pelo empenho de todos os diretores e colaboradores do Grupo Itapemirim”, comemora o presidente do Grupo Itapemirim, Sidnei Piva. Dias depois do voo inaugural comemorativo, a ITA Transportes Aéreos começou suas operações no dia 1º de julho. A companhia atuará nas pontes aéreas ligando as principais capitais e destinos turísticos do País.

Convidados especiais participaram do voo entre São Paulo (Guarulhos) e Brasília. Em sua estreia no mercado aéreo doméstico, a ITA estará presente em 8 cidades brasileiras: Belo Horizonte-Confins (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Porto Seguro (BA), Rio de Janeiro-Galeão (RJ), Salvador (BA) e São Paulo-Guarulhos (SP). Em 1º de agosto, a malha da ITA ganhará seis novas cidades: Florianópolis (SC), Fortaleza (CE), Maceió (AL), Natal (RN), Recife (PE) e Vitória (ES). A meta é chegar a 35 destinos e 50 Airbus A320 até junho de 2022, e 110 destinos no longo prazo. Os Airbus estão configurados em duas classes, ITA Class e Econômica, e a configuração de 162 assentos dá mais espaço entre as poltronas tanto na frente quanto na traseira da aeronave (de 79cm a 107 cm). A companhia não cobrará pela primeira bagagem despachada, até 23 quilos e pretende, em um ano, ter um sistema único de reservas, de rodoviário mais aéreo. 

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar