A História do café no Brasil e desenvolvimento econômico

Brasil

Pablo Barcelos

Publicado em 18/05/2021

1888, ano de assinatura da Lei Áurea, datava, na sequência de um conjunto de fatores, uma nova era na expansão do movimento internacional de capitais, que, ao entrarem no contexto econômico de nosso país, impulsionaram a rápida disseminação da cultura, graças aos recursos das exportações, que no final do século XIX respondia por cerca de 80% das receitas de nossa balança comercial, importância essa que manteve seu auge até o final da Segunda Guerra Mundial (1938-1945). O café sem dúvidas atuou como elemento dinamizador da economia na medida em que gerou um capital excedente investido em outros setores que não o agrícola, e na medida, ainda, em que criou um mercado consumidor para novos produtos. O café é uma das bebidas mais consumidas do mundo, sua origem é africana, mais precisamente das terras altas da Etiópia. Trata-se de uma planta, e as suas primeiras mudas chegaram na América do Sul, saindo do Jardim Botânico de Amsterdã – capital da Holanda, para a antiga Guiana Holandesa, conhecida atualmente como Suriname. No território brasileiro, as primeiras mudas de café foram trazidas pelo militar luso-brasileiro Francisco de Melo Peralta.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar