A (Anti) Ética Populista

Comportamento

Tom Martins

Publicado em 29/10/2019

1.Introdução

Populismo seria sinônimo de mentira? A questão é intrigante, mas advogarei uma resposta afirmativa. Considero um povo genuflexo ao populismo o maior estímulo aos discursos populistas e seus parlapatões dribladores da verdade. Obviamente, urge não apenas que os políticos sejam éticos e abandonem o populismo, mas que nós, povo do bem, entendamos que devemos depender menos do Estado e mais de nós mesmos. Em suma: a primeira lição ética profilática ao populismo está no apreço à autossuficiência, não somente para nos alforriarmos das amarras estatais, como também para não onerar o próximo com nossas carências, indolências e imaturidades.

Após concretizado o desafio da autonomia financeira, emocional, intelectual e espiritual, estaremos diante da segunda lição do contexto ético, ou seja, o auxílio ao próximo. Nesta seara, devemos ter cuidado redobrado com as armadilhas do narcisismo egocêntrico, e lembrar que o verdadeiro altruísmo emerge naturalmente da espontaneidade, ou seja, da voluntariedade ou facultatividade. Qualquer imposição humana neste sentido deverá ser classificada como tirania. Lembremo-nos que estadismo imposto ao seu povo requer uma despótica carga tributária, além de suas bizarras e também tirânicas obrigações burocráticas escravizadoras.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar