A culpa dos patriotas

Geopolítica

Rafael Valera

Publicado em 21/10/2019

O mundo atual é a perfeita ilustração planetária da Torre de Babel: mortais incapazes de compreender completamente a verdade, a reconexão com o divino; é por isso que eles farão do mundo o caminho de retorno para o lugar do qual foram expulsos. Lembrando que, na via, todo mundo acredita no Michelangelo de seu tempo, falando tutti il mondo em sua linguagem onisciente particular, e ninguém, no final, se entendendo. Ou seja: estamos na presença de um gnosticismo puro e duro, desde o qual se funda a crença na possibilidade do bem absoluto pela intervenção humana, superior a um certo mal mundano inerente e que pode fundamentalmente ser transformado; nas palavras de Voegelin, Imanentizar a Escatologia,.

Sentado em frente à sua casa, o conservador ouve o choro de uma criança na rua silenciosa, observa a nova palavra que criou o reflexo do nome do café da esquina, a pequena raiz saliente entre as lajes de uma parede, ou como o vento rouba o chapéu da senhora da calçada oposta. O mundo é uma constante surpresa dentro da qual tudo é como deveria ser. Impreciso, selvagem e, portanto, igualmente finito e infinito.

A partir de agora, podemos entender facilmente as pretensões das ideologias e seu fetiche matemático.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar