Sigilo de fonte e liberdade de expressão

Geral

Alexandre Costa

Publicado em 26/04/2021

Antes de mostrar como funciona uma das estratégias de manipulação que, apesar de repetida e desgastada, ainda dá alguns resultados, acho importante pontuar sobre o mecanismo que garante o “sigilo da fonte”. Faço isso todas as vezes ao alertar leitores ingênuos sobre os riscos de levar a sério matérias baseadas em supostos relatos anônimos.

Entendo que o direito de manter a fonte em sigilo é fundamental para garantir o trabalho de um jornalismo independente, mas ser favorável à sua existência do ponto de vista legal não significa referendar o seu uso sistemático. Muito menos acreditar no seu conteúdo.

Feita a ressalva sobre a minha concordância com o direito legal do jornalista manter a fonte em sigilo, podemos continuar.

Tenho certeza de que na maioria das vezes o tal sigilo da fonte é apenas uma tática para plantar uma notícia que o jornalista quer que seja verdade. Ou deseja a consequência desse efeito que ele pretende causar. Nesses casos muito, muito frequentes, a fonte secreta é a mente do próprio autor. Em alguns casos -- ou quase todos --, o truque também busca amplificar a sua relevância ao exibir conexões com figuras importantes e poderosas. Isso costuma dar algum status, principalmente aos olhos dos jornalistas iniciantes. O foca não percebe a maracutaia porque ainda está na fase de acreditar na sacralidade da profissão que escolheu.


Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar