O sapo na panela: pula agora ou espera esquentar mais?

Comportamento

Alberto Alves

Publicado em 22/03/2021

Se por um momento pudéssemos esquecer as motivações que estão levando os governadores e prefeitos, além do Judiciário e dos órgãos do Estado em geral, apoiados por essa imprensa tradicional, comprada e comparássemos as suas atitudes com a ditadura nazista, qual seria a diferença?

Um povo que está acostumado apenas a esperar pela ajuda ao invés de se tornar protagonista em buscar soluções para seus problemas, não poderia esperar que algo diferente passasse em seus pensamentos que não fosse o da pura subserviência. Como bem escreveu o filósofo Olavo de Carvalho: “É a proporção entre nossas representações e a experiência, que assegura a racionalidade dos nossos pensamentos”.

Uma sociedade acostumada com representantes políticos que se apresentam como o “salvador” do povo – aquele que se oferece para lutar em favor dos “mais vulneráveis” em uma eterna guerra contra as “injustiças sociais” que não tem corpo, forma nem limites que permitam identificá-los objetivamente – não poderia sofrer outra consequência, que não fosse a total rendição à tirania e ainda sob o sério risco de se tornarem escravos desses enganadores.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar