As esquerdas e a questão do mercado (Parte 1)

Economia

Paulo Moura

Publicado em 15/03/2021

A história registra a existência de dois paradigmas básicos em termos de teoria econômica e em termos de como estas teorias se concretizaram como sistemas que se contrapõem:

  1. o paradigma liberal/capitalista, que tem como vértice central o princípio da propriedade privada e da liberdade de mercado e, consequentemente, a não intromissão do Estado nos assuntos econômicos de caráter privado1; e,

  1. o paradigma marxista/socialista, que preconiza a propriedade estatal sob comando e planejamento centralizado sobre as atividades econômicas e, no limite, a impossibilidade de qualquer atividade econômica de caráter privado2.

Embora exista, para alguns autores,4 uma terceira perspectiva, a Social-Democrata, para efeitos desta análise, considera-se essa experiência e suas orientações teóricas em matéria econômica, como um modelo híbrido, que tenta equilibrar ingrediente dos dois paradigmas entre a propriedade privada e a liberdade restrita de mercado, regulada pelo Estado mediante o recurso ao controle ou a regulação sobre segmentos das atividades de mercado, ou ainda, mediante a atuação do Estado como empreendedor monopolista ou competidor com as atividades econômicas privadas.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar