Posse de armas: ponta de lança da soberania nacional

Geopolítica

Rafael Valera

Publicado em 17/09/2019

O tom deste novo artigo é distinto, provavelmente menos prosaico, menos profundo filosoficamente, e mais pra frente discursivamente. Então: andiamo.

Venezuela é atualmente um fantasma, um resíduo de hipnotizados melífluos e resistentes condenados, uma espécie de terra ecléctica de romanos decadentes, espartanos desarmados regidos pelos persas. Se você é comunista e estiver nela, Venezuela é a Babylonem agustiniana; se você é normal, Venezuela é Pompeia tropicalizada. A terra se mantém, sim, mas as nossas raízes são o último soldado, queimado, petrificado pela lava, numa eternidade fria e dantesca, onde o sofrimento é ius magni e seus soluços não podem ser nem ouvidos por conta da sua nova e perpétua casca rocosa.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar