O STF como instrumento seletivo da censura

Judiciário

Rogério Greco

Publicado em 19/01/2021

Censurar ou não censurar? Na verdade, a questão não diz respeito ao fato de se poder censurar. Há situações em que a censura é necessária, a exemplo do que ocorre com muitas apresentações de caráter artístico, como as peças teatrais, filmes, apresentações etc., impróprias para pessoas de determinadas faixas etárias.

O problema que passou a tomar conta do país não se refere a esse tipo de censura, que sempre existiu e sempre  deverá continuar a existir, por mais que grupos libertários, progressistas, não tenham essa preocupação, pois que se divertem com os atos mais grotescos e repugnantes.

O grande mal que nos assola é a censura seletiva levada a efeito, principalmente, pelo Supremo Tribunal Federal, tendo como alvo de sua ira os críticos conservadores que, via de regra, não comungam com suas ideias.

Nunca as notícias circularam de forma tão rápida como agora. Se a internet já havia sido um avanço espetacular, a utilização das redes sociais potencializou esse avanço. Em um passado recente, estávamos presos, limitados às notícias seletivamente disponibilizadas pelos meios de comunicação, normalmente pela imprensa escrita, pelo rádio e pela televisão. 

 

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar