Não seja chato

Comportamento

Letícia Dornelles

Publicado em 28/12/2020

Qual tipo de pessoa que você mais admira? De minha parte, é o inteligente que não é esnobe. É excepcional conversar com uma pessoa inteligente, daquelas que pegam no ar o que você apenas pensou e sequer verbalizou. Que é capaz de conversar sobre qualquer assunto, não porque é PHD, mas porque se informa, e sabe digerir o que ouviu, leu, assistiu. 

Inteligência é privilégio. Muitos têm cultura, acesso a bons colégios e livros, mas não têm inteligência. Estudam, mas não utilizam o aprendizado. Não conseguem. Decoram o conteúdo e não são capazes de dissertar sobre quase nada. Ou falam abobrinhas que não têm conexão com o real sentido. Não compreendem o que leem e tantas vezes querem enfiar goela abaixo a sua compreensão errônea. Distorcem. 

Se esse tipo de pessoa tem alguma influência na sociedade, se é o tal “formador de opinião”, estamos lascados. Porque a visão equivocada é repassada, sem que haja contestação. Se alguém tenta, recebe a resposta: “Mas foi Fulano que disse!”, e a besteira do Fulano passa a ser verdade universal. Mesmo que seja exatamente o oposto do que deveria.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar