O Natal de Jesus: o crepúsculo dos símbolos

Cultural

Robson Oliveira

Publicado em 21/12/2020

Naquela Gruta em Belém, os Céus desceram à Terra, o tempo foi visitado pela Eternidade. Aquele que tem nas mãos as forças e potências do universo aceitou a pobreza e a fraqueza de uma criatura. O que era apenas sinal e esperança, no Antigo Testamento, com a inauguração da Nova Aliança torna-se real. 

A salvação planejada por Deus desde toda Eternidade toma a carne humana e esconde-se numa pobre família judia. Se a Cruz continua a ser loucura e um desafio ao cristianismo deste século, permanece também um escândalo o nascimento do Salvador da humanidade, num simples estábulo em Belém. Com efeito, escândalo e loucura acompanham o cristianismo desde seu surgimento. Mas algo inusitado acontece naquela pequena cidadezinha.

Atrás daquela Gruta, os símbolos se ocultaram. A partir daquela noite, acabou o tempo dos sinais, iniciou-se o tempo da realidade. Findaram-se as profecias; é hora de seus cumprimentos. 

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar