O Jornalismo Zumbi

Brasil

Robson Oliveira

Publicado em 07/12/2020

O analista político, Paulo Figueiredo, causou úlceras no establishment jornalístico, ao cunhar a mais contundente sentença a respeito da espécie de jornalismo produzido no Brasil. No debate de sexta-feira (04/12), no programa 3 em 1, da Jovem Pan, o analista afirmou que “o jornalismo profissional morreu”. O comentarista tratava da evidente subserviência do jornalismo apelidado “profissional” a ideologia – está suposto, de quaisquer cores, mas no caso brasileiro de matiz socialista –, em detrimento da função própria de profissão tão nobre ao bem comum: informar, o mais precisamente possível, os fatos de interesse da população. 

Ao abandonar a missão própria do jornalismo, tais profissionais acabam por trair sua vocação e a levar a óbito a confiança da audiência na tarefa jornalística, justificando simpliciter o diagnóstico do analista político. 

A partir de então, o que se testemunhou nas redes foi uma mistura de orgulho e desalento. 

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar