O Inimigo Insignificante

Brasil

Alberto Alves

Publicado em 30/11/2020

Disse certa vez o polímata estadunidense Benjamin Franklin: “Não há inimigo insignificante”. Não tem como negar que o Partido dos Trabalhadores perdeu sua completa relevância no cenário político do país, pelos menos nas capitais, como ficou demonstrado no segundo turno realizado nesse domingo passado. Isso é sinal que o povo ainda não se esqueceu do legado de roubo que os petistas deixaram. No entanto, isso é sinal também que o povo conservador ainda não aprendeu a identificar quais são os seus verdadeiros inimigos. 

Há ainda aqueles que continuam irrelevantes no alvo de rejeição dos brasileiros, mas que não estão sendo vistos como um perigo sério, o que poderá nos custar um preço muito alto se não abrirmos os olhos para isso enquanto há tempo. 

Não precisa fazer muito esforço para perceber que o conservadorismo que elegeu Bolsonaro está totalmente sufocado. E há tempos que o Partido dos Trabalhadores deixou o poder. Praticamente não se fala em conservadorismo entre os ministros e os bastidores do poder, aliados do Presidente da República. 

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar