A manufatura das notícias distorce os fatos

Geral

Paulo Moura

Publicado em 23/11/2020

Conforme anunciei na edição anterior, esse é o segundo artigo da série de três que estou escrevendo para Terça Livre analisando o experimento social da pandemia sob a ótica da Teoria da Comunicação, mais precisamente sob enfoque de três hipóteses contemporâneas que, sob diferentes aspectos, analisam a maneira como se manipula a opinião pública através da comunicação e da política.

No artigo de hoje o assunto será tradado sob a ótica da Newsmaking, ou fabricação (manufatura) das notícias, que analisa a forma como as redações dos veículos de mídia se converteram em “linhas de montagem” que descontextualizam a informação para depois recontextualizá-las num processo que distorce a realidade, convertendo a notícia num simulacro. 

No próximo artigo abordarei o assunto sob a ótica da Espiral do Silêncio, enfoque teórico que se constitui em verdadeira sociologia do comportamento humano na sua relação entre líderes e liderados ou influenciadores e influenciados, se quisermos adorar uma linguagem mais contemporânea. Nesse jogo entram os “formadores de opinião” da mídia, mas também, os líderes naturais existentes em quaisquer grupos sociais.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar