Covid-19 (84): O ambiente distópico

Comportamento

Alexandre Costa

Publicado em 15/11/2020

Nunca devemos esquecer que as distopias são obras de ficção, ou seja, não tratam propriamente da realidade, mas de deduções sobre os desdobramentos prováveis, de conclusões sobre um futuro possível, nos melhores casos também verossímil, baseado na percepção apurada de algumas mentes privilegiadas.

No futuro descrito pelas distopias, o Estado, ou alguma organização que o substitua, sempre oprime a população e controla os comportamentos, enquanto uma casta de líderes políticos usufrui de um poder inabalável, que ultrapassa o campo político e alcança todas as condutas e atitudes, até mesmo as mais íntimas. 

 Em 1984, livro que inspira o título e a essência desta série de artigos, um ambiente cinzento e constituído por uma burocracia que desestimula, reprime e pune qualquer sinal de individualidade, criminalizando todas as iniciativas que minimamente discordem das recomendações oficiais. Uma sociedade burocratizada ao limite, com uma elite tecnocrática que infiltra toda sociedade e determina o seu andamento.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar