Espiral do silêncio: a formação da opinião pública

Comportamento

Paulo Moura

Publicado em 20/10/2020

Este é o terceiro e último artigo, da série de três, que escrevo para Terça Livre analisando o experimento social da pandemia sob a ótica da Teoria da Comunicação, mais precisamente sob enfoque de três hipóteses contemporâneas que analisam a maneira como se manipula a opinião pública através da comunicação e da política.

No artigo de hoje, o assunto será tratado sob a ótica da Espiral do Silêncio que, para além de ser apenas uma teoria do campo da comunicação, é também uma teoria sociológica sobre o comportamento do ser humano em círculos de convivência social e sobre a maneira como se dá o jogo de influências de líderes sobre liderados na conformação da opinião pública dominante sobre determinados temas.

A hipótese teórica original é da pesquisadora alemã, Elisabeth Noelle Neumann que, intrigada com a baixa autoestima do povo alemão na década de 1950, após duas derrotas nas guerras mundiais e a experiência da República de Weimar no período entreguerras, decidiu investigar a influência dos colunistas de opinião da imprensa sobre a formação da opinião pública.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar