A atividade conservadora “permitida” te faz perder cargo

Brasil

Allan dos Santos

Publicado em 12/10/2020

O que há em comum entre o Círculo de Estudos Bandeirantes, Centro Dom Vital e UDN? Todos sofreram boicotes por meio de uma propaganda positivista enquanto os comunistas eram “tolerados”, quando não eram “afagados como uma corrente permitida”.

Despertado pelos ensinamentos do Prof. Olavo de Carvalho, o incipiente movimento conservador brasileiro partiu desenfreado para a disputa política eleitoral, mantendo alguma ação cultural, mas vendo esta como secundária, quase subalterna à ação eleitoral.

Isso fez dos simpatizantes do movimento conservador meros eleitores, não agentes culturais de transformação política de fato. Tudo passou a girar em torno de ciclos eleitorais, tal qual as disputas políticas locais: “ocupação de espaço” (leia-se, cargo) passou a ser meta principal e única. Nesse cenário, qualquer discordância de ordem operativa entre aqueles que não atuam buscando os cargos e os que os estão ocupando passa a ser compreendida como um conflito político-eleitoral de uma cidade de interior, uma disputa eleitoral de roça.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar