Democracia e totalitarismo: estudos iniciais.

Geopolítica

Italo Lorenzon

Publicado em 25/08/2020

Poucos temas são tão recorrentes no estudo dos modelos democráticos quanto a confrontação dos sistemas históricos aos quais se atribui o adjetivo democrático com sua contraparte ideal, que deveria lhe servir de norte. Essa discussão, tão antiga quanto a própria democracia moderna, aborda um tema bastante contumaz nas ciências humanas de modo geral: a distinção entre um conceito e um termo autojustificador.

Podemos entender “conceito”, a partir de sua origem em Aristóteles (cf. Organon), como a apreensão de aspectos da realidade e o encerramento deles num termo que possua, não apenas nexo interno, mas exprima um nexo presente na própria realidade. Em outras palavras, a conceituação é sempre a ciência do possível, encerrando em sua estrutura interna o maior número possível de incontingências sobre as quais as particularidades e os acidentes dos casos concretos possam se modular sem contradizerem os elementos essenciais.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar