Ridículos idiotas que "cancelam"

Comportamento

Letícia Dornelles

Publicado em 28/07/2020

Desde que comecei a trabalhar para o Governo Federal, aprendi que não existo mais para os meus antigos colegas de televisão. Deletaram meu número do whatsapp, me deram unfollow nas redes sociais, não respondem se desejo bom dia. Fui cancelada. Eles têm esse poder de avaliar quem merece existir. Quem merece ser considerado bom profissional. Quem merece ser respeitado. Quem é bacana.

Gente que elogiava meus textos, que se dizia fã, e até quem me pedia emprego, passou a questionar se sou alfabetizada. É. Teve isso. Se minha cultura é suficiente. Se sei diferenciar Balzac de Malbec. São rasos eles. Não chegam ao nível do mar onde eu nado.

Quer saber? Não, eles não têm esse direito, nem esse poder. São idiotas vazios de alma. Vazios de empatia. Vazios de humanidade. Vazios de altruísmo. São cheios de empáfia, arrogância, egos doentes. Que se danem. Quem sabe um dia acordem e percebam o quanto são ridículos. Formam uma tribo de coitados. De gente que precisa negar a existência de quem pensa diferente ou apenas pensa. Porque eles não parecem saber o que é pensar. Formam bandos que seguem um manual de conduta, que um guru qualquer metido a besta inventou, e que ninguém pode deixar de seguir.

Não dou a ninguém o direito de me dizer como devo me vestir, onde devo morar, qual a melhor escola para o meu filho, onde devo trabalhar, qual a opinião mais bonitinha sobre qualquer polêmica, em quem devo votar. Não dou procuração a ninguém para falar ou pensar por mim. Eu pago as minhas contas com muito trabalho desde os quinze anos. Não vai ser um idiota qualquer que vai me cancelar. Que cancele o seu ego idiota. Não a minha vida.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar