Prudência e Covardia

Comportamento

Publicado em 14/07/2020

Gostaria, nesta semana, de falar sobre o livro de Yoram Hazony, A Virtude do Nacionalismo, para que se entenda qual o tipo de gente anda cercando o governo ultimamente, sob a autopropaganda da prudência. E é sobre ele que quero falar, pois, para quem não sabe ou desconhece, o livro de Hazony trata basicamente de um valor em decadência no Brasil destes dias – a lealdade.

A lealdade é a chave para a compreensão de muitos de nossos problemas hoje – seja em política, seja em economia, seja no âmbito jurídico, seja nas artes e na cultura, enfim: não há recorte da realidade que escape do problema da lealdade.

Estudo direito societário há anos e, sempre, que me pedem dicas de tese, TCC, trabalho final etc, eu recomendo: fale sobre o art. 155 da Lei 6.404/76, enfim, sobre o dever de lealdade de todo gestor e administrador.

É um dos artigos mais importantes do mundo empresarial e que, pasmem, nunca recebeu um único trabalho acadêmico sequer até hoje.

Mea culpa, mea maxima culpa – quero expiá-la um dia levando adiante um projeto já citado sobre a Mente Covarde.

E do que se trata, especialmente, esse projeto?

É uma análise franca, direta, ácida e desprovida de qualquer piedade da obra Mente Imprudente de Mark Lilla.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar