A blasfêmia dos tépidos

Cultural

Rafael Valera

Publicado em 05/08/2019

Chesterton é um daqueles caras aos quais você sempre pode recorrer quando a clareza não estiver tão próxima. Eu também acredito que a base do mundo moderno é, de fato, o jugo dos violentos contra Deus (Canto XVII, Divina Comédia) e que, aquilo sagrado, nos antípodas, permanece como uma coisa perpetuamente derrotada que sempre sobrevive a seus conquistadores (Belloc dixit).

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar