O Jacaré, o Macaco e o Burro

Cultural

Laudelino Lima

Publicado em 19/05/2020

Eu nunca havia lido nem uma única linha de José Ortega y Gasset (vou chamá-lo de Zé) - embora o tivesse na fila de autores a serem descobertos -, até que recebi a missão de destrinchar a seguinte frase do livro “A Rebelião das Massas”, mais especificamente na parte IV, “Prólogo aos franceses”:

“Romper a continuidade com o passado, querer começar de novo, é aspirar a descer e plagiar o orangotango.”

A simples menção do orangotango já me fez conhecer um pouco da personalidade do autor. Nota-se que, embora crítico, era bem humorado. Percebe-se também um leve tom sarcástico ao encerrar a questão, como se estivesse tratando longamente do assunto com um interlocutor teimoso. Temos que concordar que a frase poderia ser traduzida por:

“Se você fizer isso, estará imitando um macaco!”

É, ela pertence à categoria de textos que encerram qualquer assunto. Coisa que não pretendo fazer por aqui. Vamos sim destrinchar cada pedaço dessa frase, porque ao estudá-la, vi que o assunto é muito sério.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar