Hora de reabrir a economia

Economia

Rafael Fontana

Publicado em 12/05/2020

Uma coisa já está bem clara para a população: quando a mídia se posiciona a favor de um assunto, este representa perdas certeiras para a sociedade. E vice-versa. Ou seja, quando a imprensa condena algo, aquilo é certamente benéfico para a maioria das pessoas. Isso ocorre com a insistência da mídia em manter cidadãos confinados em casa, atendendo a colossais interesses da China e dos seus aliados de ocasião: os militantes da cartilha globalista. É, portanto, um desastre para a população.

O Brasil, ao menos desta vez, não está indo na contramão do mundo, porque tanto dentro quanto fora do país, políticos corruptos entrelaçam as mãos com jornalistas para atrasar ao máximo a reabertura da economia, tornando o cidadão refém de uma armadilha totalitária que, quanto mais se estende, mais danos provoca.

O que observamos claramente dentro do Brasil, na realidade constitui um atraso em relação a nações de diferentes continentes. Enquanto governadores autoinvestidos de poderes autoritários ameaçam os brasileiros com um lockdown, outros países ensaiam uma reabertura da atividade econômica. De forma gradual, é verdade, mas ao menos a pauta já está na mesa, mesmo a contragosto da mídia.

Nesta semana iniciada em 10 de maio, por exemplo, a Disney de Xangai, na China, reiniciou suas atividades após três meses fechada. O parque de diversões adotou cuidados, como limitação do público total, higienização permanente com álcool em gel, medição de temperatura e proibição para grupos considerados de risco. Xangai fica a 800 quilômetros da cidade chinesa de Wuhan, epicentro de toda essa pandemia, sede do laboratório de onde o vírus “escapuliu” para o resto do mundo.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar