Teoria da Conspiração ou Revelação? – Parte 3

Comportamento

Alexandre Costa

Publicado em 05/05/2020

Encerrei o texto anterior mencionando que a instalação de uma Nova Ordem Mundial exige a criação de um novo homem, adaptado ao novo conjunto de valores que devem sustentar essa nova civilização.

A mudança civilizacional em curso compreende, portanto, transformações que vão muito além das alterações de regime político ou econômico. O alcance destas mudanças precisa ser muito mais profundo, e elas devem atingir todos os elementos basilares da vida cotidiana, aqueles que definem a própria noção de existência.

Com base nas experiências totalitárias do século XX é possível perceber que mudar as estruturas do poder não é suficiente para alcançar esse objetivo. Na Alemanha nazista ou na antiga União Soviética essa necessidade ficou evidente sob qualquer ponto de vista.

Na Rússia, por exemplo, uma população extremamente religiosa precisou ser oprimida a níveis antes inimagináveis para que a proposta de um novo regime fosse aceita. Como o sistema imposto à força previa mudanças radicais na estrutura da sociedade, essa transformação, que atingia desde a troca de poder e uma legislação completamente diferente até o fim de inúmeros direitos individuais, inclusive o de clero, o povo russo resistiu como pode e enquanto foi possível. A partir deste momento, que ocorre quase que imediatamente após a Revolução de 1917, os tiranos bolcheviques precisaram agir com violência desumana para impor as “novidades” que prometiam um novo paraíso na terra.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar