Liberalismo econômico: sucesso ou fracasso?

Economia

Alberto Alves

Publicado em 28/04/2020

Escreveu, certa vez, o economista Roberto Campos: “o liberalismo econômico, assim como o capitalismo, não fracassaram na América Latina. Apenas não deram o ar de sua graça”. Até bem pouco tempo atrás, o capitalismo era visto pela sociedade brasileira como o monstro responsável pelo fracasso da dignidade humana, o maior vilão da natureza e o combustível para a manutenção da miséria no mundo.

Mesmo o sucesso na qualidade de vida dos países capitalistas era mal visto e tido como insustentável, o que o colocava na linha direta da culpa pela pobreza nas nações exploradas. A busca pelo lucro era o motor que os críticos do capitalismo usavam para disseminar sua aversão a ele. E, se hoje a sociedade começou a mudar de opinião, não é graças à correta interpretação do que é o capitalismo, mas apenas pelo fracasso moral daqueles que o criticavam.

Numa sociedade cristã, a reputação de alguém tem um peso maior do que aquilo que ele diz, uma vez que a coerência é mais valorizada do que o próprio discurso proferido. Os líderes críticos do capitalismo sabiam disso e tentavam, a qualquer custo, passar uma imagem de que eram pessoas preocupadas com o bem-estar comum. E que buscavam lutar pela igualdade social ao mesmo tempo em que não poupavam críticas a qualquer defesa em favor dos ideais liberais.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar