Você foi manipulado

Comportamento

Letícia Dornelles

Publicado em 28/04/2020

Um tema é lançado, exibido. Se você reagir como o esperado, e embarcar nas narrativas e efemérides, o que poderia ser uma simples reportagem, vira uma série de mil dias. Porque você vai querer mais e mais. E a mídia vai oferecer o que você busca. Se reagir mal, ignorar, ou rejeitar, o tema some.

Tudo o que é exibido na mídia é produto. Televisão não é casa de caridade. É indústria. E vive de receita. De aceitação. De audiência. Porque audiência gera investimento de anunciantes e patrocinadores.

Como yogurte na prateleira. Se você consome, eles repõem o estoque. Se você rejeita o que é oferecido, eles renovam as prateleiras com produtos diferentes.

Vale para novela, para shows, e para o noticiário.

Em novembro, o seu coração é programado para amolecer. Você liga a televisão e a sua mente é invadida pelo espírito natalino. Propaganda de panetone, narração amorosa até de oferta de peixe barato, vovozinhas abraçando os netinhos, reportagens sobre as Árvores de Natal que são armadas em pracinhas cheias de enfeites coloridos, jornal com notícias mais leves, celebridades falando de projetos para o futuro melhor, e o imbatível Papai Noel.

Você se sente envolvido pela magia do Natal. Talvez nem lembre que é festa cristã. Mas fica comovido com a imagem da ceia, da troca de presentes, dos cartões de boas festas que agora são enviados no whatsapp. As rádios só tocam músicas sentimentais. Você chora à toa.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar