A pandemia como ferramenta totalitária

Comportamento

Alexandre Costa

Publicado em 14/04/2020

Considero Nova Ordem Mundial o conjunto de fenômenos geopolíticos, sociais e culturais que visam a estabelecer uma nova civilização, com regras, estruturas e valores distintos daqueles que regem o Ocidente e que se desenvolveram e se cristalizaram ao longo dos milênios.

Dentro desse prisma, além das iniciativas que procuram enfraquecer, destruir e substituir os princípios de maneira forçada e artificial, processo que eu costumo chamar de “revolução cultural”, podemos identificar três fatores que compõem a essência desta nova ordem que pretendem implantar: o aumento do poder do Estado, a concentração dos mercados rentáveis nas mãos das grandes corporações e a centralização da autoridade em organismos internacionais por meio do fortalecimento de um ambiente de governança global.

Esses três fatores, que correspondem a três aspectos do processo revolucionário global contemporâneo, sempre acarretam perda das soberanias nacionais e diminuição dos direitos naturais dos indivíduos.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar