A ditadura viral

Brasil

Tom Martins

Publicado em 14/04/2020

Desde criança, sempre apreciei a sabedoria das expressões populares e a respectiva reflexão sobre seus profundos significados. Atualmente, o que se convencionou chamar de “politicamente correto” ceifou certas expressões. Entre elas: “a desculpa do aleijado é a muleta”.

Neste artigo, distancio-me do politicamente (in)correto para contextualizar a inteligência mais profunda dos ditos populares, que está muito além de toscos e odiosos preconceitos. Vejamos essa adaptação peculiar: “a desculpa do tirano é o vírus chinês”. Sim, meus queridos leitores, a Covid-19, além de trazer um mal físico mortal, ainda serve de muleta para o deambular mais acelerado dos ditadores de plantão. Dizem os déspotas que não podem respeitar nossa liberdade, mas sempre pelo nosso “próprio bem”. Eis a falácia populista, em que as expressões “pelo bem do povo” ou “pelo bem maior” são usadas para oprimir massas de ignorantes e cegos pelo fanatismo político, ideológico e até mesmo partidário.

De fato, a maioria dos seres humanos está aquém das normas basilares de cortesia e respeito ao próximo. Na condição de amante do respeito ao livre arbítrio, é-me penoso reconhecer que nem todos merecem a nossa tão prestigiosa liberdade. Todavia, o outro lado da moeda pode ser ainda mais árduo, principalmente se considerarmos que, uma vez entregue nossa liberdade para o ditadorzinho da vez, não a recuperaremos facilmente. Não raro, essa recuperação é paga com o sacrifício de preciosas vidas, guerras e muito sofrimento.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar