O filho pródigo da Revolução

Geopolítica

Rafael Valera

Publicado em 23/07/2019

Ninguém pode substituir Al Pacino nem o Clint Eastwood. Suas performances em Serpico, Heat, Man with No Name ou The Good, The Bad and The Ugly os condenaram à memória coletiva e os imortalizaram. Usei a palavra condena por uma razão em especial; mais que repulsão a aquele ninho de sanguessugas chamada lindamente Hollywood, o uso responde a uma realidade que passa desapercebida, e é que como a indústria hollywoodense, as revoluções comunistas funcionam da mesma forma.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar