Um brasileiro chamado Zé

Cultural

Laudelino Lima

Publicado em 24/03/2020

Vou falar de um brasileiro do século 19 que tenho profunda admiração.

Vou chamá-lo de Zé.

Bom, Zé nasceu no dia 9 de outubro de 1854 no Rio de Janeiro, na cidade de Campos dos Goytacazes. Seu pai se chamava João e era um caboclo com fama de bom orador. Sua mãe se chamava Justina. Era uma quitandeira negra muito popular, querida, sempre alegre e comunicativa. Atravessa as ruas da cidade sempre muito sorridente e falando com todos.

Eram tempos de escravidão.

Aos 13 anos, habitando a fazenda Lagoa de Cima, que pertencia ao seu pai, Zé assiste ao duro trabalho e aos castigos impostos aos escravos. Ele sofria. Pouco tempo depois, em outra ocasião, Zé, como forma de protesto, atirou-se na escada e partiu a cabeça.

Noutra, atacou um negro-velho e chegou a feri-lo. O Zé não suportava ver aquilo sendo feito com aquelas pessoas da sua cor. Seu pai repreendeu-o gravemente. O Zé nunca mais esqueceu aquele dia.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar