Subjetivismo como arma na guerra cultural

Comportamento

Alexandre Costa

Publicado em 10/03/2020

Uma questão muito importante para entender o processo revolucionário cultural que vivenciamos diz respeito a uma estratégia de desestabilização do imaginário. O conjunto dos imaginários dos indivíduos corresponde ao ambiente sociocultural de uma civilização. Os valores e princípios que estruturam a nossa sociedade foram adaptados dos ensinamentos morais e religiosos acumulados por mais de dois milênios. Desta tentativa de arranjo, com seus erros e acertos, surgiram os elementos que regem a vida cotidiana.

Revolucionar uma sociedade, no sentido de revolver a ordem estabelecida, consiste em destruir os valores para então substituí-los com menor resistência. Para substituir um valor por outro, antes é necessário desgastar a sua relevância e desconectar a sua essência da imagem que paira sobre a população.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar