O tempo e a consciência

Cultural

Tom Martins

Publicado em 09/07/2019

Apesar da chamada grande imprensa não ajudar, a população brasileira adquiriu uma sofisticada consciência política. As impressionantes manifestações populares domingueiras reiteram que a bandeira brasileira, ao som dos bordões coloquiais, jamais será vermelha. A mensagem, ainda que simbólica, não poderia ser mais clara.

Os termos “esquerda” e “marxismo”, antigamente festejados por doutrinadores espúrios que nunca geraram meia-dúzia de postos de trabalho, geram asco aos olhos da população. Juntamente com os regimes fraticidas, sucumbiram o materialismo positivista e as ideologias políticas que tentaram ocupar o espaço da transcendência. Talvez a patologia moral sempre estivesse presente na vermelhidão materialista dos regimes canhotos, mas a consciência do diagnóstico demandou longo sofrimento, escândalos de corrupção na casa dos bilhões, violência urbana, mortes em filas de hospitais e descaso com a moralidade mais basilar.

Conteúdo exclusivo para assinantes

Para continuar lendo e ter acesso a esse conteúdo exclusivo, assine clicando abaixo.

Assinar